As conquistas e desafios no enfrentamento ao HIV/aids no Brasil

jun 30, 2017 by bruno in  Sem categoria

“HIV/aids no Brasil: avanços, desafios e novas abordagens” foi tema do painel 15 na sexta-feira (30), último dia da 15ª Expoepi, realizada desde a terça-feira (27) em Brasília. Sob a coordenação da diretora do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids – Unaids Brasil, Georgiana Braga-Orillard, o painel contou com as apresentações da diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), Adele Benzaken; de Jorge Beloqui, da Associação Brasileira Interdisciplinar de Aids (Abia); de Tatianna de Alencar da Área de Tratamento do DIAHV; e de Juliane Costa Oliveira, da Secretaria Municipal de Saúde de Curitiba.

Segundo Georgiana Orillard, apesar dos avanços nas ações de prevenção e tratamento do HIV/aids nos últimos anos, o Brasil não sabe contar a sua história de sucesso no setor. “Nosso país precisa divulgar que está conseguindo bons resultados ao trazer trabalhos de iniciação científica por meio do Sistema Único de Saúde”, observou. “Ainda há muitos desafios, mas muitas conquistas foram alcançadas, como a testagem rápida e as ações de prevenção como a PEP e a PrEP”, acrescentou.

Adele Benzaken apresentou o panorama geral do HIV/aids no Brasil, a evolução da testagem regular do HIV, a implantação da PEP e da PrEP como medidas de prevenção, as campanhas e ações junto ao público e a divulgação do HepAids 2017, a ser realizado em setembro, em Curitiba. “A missão do nosso departamento é formular e fomentar políticas públicas relacionadas aos agravos de nossa competência, dentro dos princípios do SUS, destacando fundamentalmente os direitos humanos”, afirmou. A diretora do DIAHV reforçou a preocupação quanto à votação do Projeto de Lei n° 198, que torna crime hediondo a transmissão intencional do vírus da aids. “Todos nós temos que dizer não a essa proposta, pois ela pode afastar as pessoas da testagem e do tratamento”.

Para Jorge Beloqui, a informação à população e às pessoas vivendo com HIV/aids é um dos fatores primordiais nos desafios a serem enfrentados no contexto do vírus e da doença. “A informação precisa preencher a lacuna muitas vezes deixada pelo profissional de saúde; é necessário permitir o acesso às informações sobre testes e sobre a doença. Por exemplo, ao consultar o ginecologista, a mulher que tem vida sexual ativa tem que ser testada para prevenir a sífilis”, disse.

Tatianna de Alencar participou com o tema “Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) como medida de prevenção ao HIV” e apresentou dados de mais essa ação de Prevenção Combinada. A PrEP consiste no uso preventivo dos medicamentos antirretrovirais tenofovir + entricitabina (TDF/FTC) antes da exposição ao vírus, por pessoas soronegativas para o HIV, a fim de reduzir o risco de adquirir a infecção. É indicada para as populações sob maior risco de infecção pelo HIV: casais sorodiferentes (quando um dos parceiros vive com o vírus e o outro não), homens que fazem sexo com homens, gays, pessoas trans e profissionais do sexo.

Sua implementação no SUS ocorrerá de forma gradual e estima-se a necessidade de cerca de 7.000 profilaxias para o primeiro ano de oferta nacional. Inicialmente, serão atendidas 12 cidades: Manaus, Fortaleza, Recife, Salvador, Brasília, Belo Horizonte, Ribeirão Preto, São Paulo, Rio de Janeiro, Curitiba, Florianópolis e Porto Alegre.

Por fim, Juliane Oliveira expôs os resultados do projeto “A Hora é Agora”, lançado em Curitiba em novembro de 2014, com testagem rápida e gratuita anti-HIV entre jovens gays e outros HSH. O projeto também faz uso de outras abordagens inovadoras junto à população-chave, tais como testagem rápida móvel em trailers equipados com laboratórios. Em abril de 2015, o projeto foi incrementado com a implantação de um aplicativo em que a pessoa pode solicitar o envio do kit de teste rápido para o endereço de sua preferência. Até abril de 2017, foram realizados 7.678 testes rápidos, sendo 3.096 entre pessoas pertencentes às populações-chave. “Os resultados, que demonstraram a aceitação do público e a revelação de que indicariam a testagem a outras pessoas, nos estimulam a continuar com o projeto”, afirmou.

NÚMEROS – Segundo o Boletim Epidemiológico HIV/Aids 2016, o Brasil apresenta uma média de 40 mil novos casos por ano. Até maio de 2017, 511 mil pessoas estão em tratamento. Outras 332 mil pessoas com HIV/aids não se submeteram ao tratamento e 112 mil indivíduos não sabem que estão infectados.

Entre 2012 e 2016, o Ministério da Saúde já distribuiu 2,5 bilhões de preservativos masculinos, 53 milhões de camisinhas femininas e 118 milhões de gel lubrificante. Em 2016, foram realizados 7,3 milhões de testes rápidos em todo o país. Até junho de 2017, mais de 34 mil pessoas vivendo com HIV/aids fazem uso do medicamento dolutegravir, implementado na primeira linha de tratamento desde setembro de 2016.

Giro na Expoepi

jun 29, 2017


Jadson Galindo – Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, Coordenação da microcefalia.

A Expoepi sempre traz inovações e atividades exitosas em todo o Brasil. Ela é muito importante para nós profissionais da ponta, que precisamos sempre estar nos atualizando, pensando em estratégias diferentes para o SUS. O evento está muito bom, ele é um tripé importante na divulgação de atividades exitosas em todo Brasil.

 

 

 


Lidiane Vieira – Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte
O evento está sendo muito proveitoso. Mais uma vez ter a oportunidade de ver várias experiências diversificadas pelo Brasil inteiro. Muitas variedades e inovações nos experimentos relatados, tem mantido o alto nível em relação a última edição.

 

 

 


Rosane Esteves – Fundação Osvaldo Cruz

Estou gostando bastante da Mostra, tanto pela variedade dos temas, como pelo tipo de abordagem que é bem diversificada. Achei interessante a grade abrangência de assuntos que são tratados em cada oficina e o fato desses trabalhos serem premiados.

 

 

 

Sheilla Rodrigues – Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco
Esse evento é de suma importância para todos os profissionais de saúde, principalmente para os que trabalham com vigilância em saúde para a gente estar sempre se atualizando e trocando informações do trabalho que a gente faz na nossa região, pois muitas vezes o problema que nós enfrentamos é o mesmo problema de outro local, que estão usando outras estratégias que a gente não conhece, logo, ficamos a par de muitas situações.

 

 

 


José Henrique – Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Sul
Estou gostando bastante da 15ª Expoepi. A organização está excelente e os trabalhos que eu pude visualizar apresentam um cunho técnico interessante, inclusive, os pôsteres estão muito bem organizados.

 

 

 

 


Juliana Pinheiro – Secretaria Estadual de Saúde do Tocantins

Esse evento é de suma importância para todos os profissionais de saúde, principalmente para os que trabalham com vigilância em saúde para a gente estar sempre se atualizando e trocando informações do trabalho que a gente faz na nossa região, pois muitas vezes o problema que nós enfrentamos é o mesmo problema de outro local, que estão usando outras estratégias que a gente não conhece, logo, ficamos a par de muitas situações.

 

 

 


Marcelo Sipioni – Convidado pela comissão Inter setorial de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde
O que eu tenho visto na programação, nos pôsteres e nas atividades que eu tenho acompanhado, é que a mostra tem se apresentado extremamente rica para o debate além da epidemiologia enquanto número, mas quanto a função dela que é promover o debate sobre as políticas de saúde necessárias para reduzir os agravos e melhorar a saúde da população de uma forma geral.

 

 

 


Eduardo Macário – Secretaria de Saúde de Santa Catarina
O evento está muito rico, há muitas experiências interessantes principalmente as dos municípios e estados, ou seja, não está ligada somente no ramo da academia, está ligada a prática dos serviços de saúde e isso é importante como uma troca de experiência entre diferentes estâncias.

Giro na Expoepi

jun 29, 2017


Aline Vimieiro – Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais
É a primeira vez que venho à Expoepi e estou gostando bastante, pois a Mostra traz conhecimento aprofundado na área que eu atuo e está bem interessante.

 

 

 


Fabio Satake – Convidado pela UFMG
Tinha uma expectativa positiva, esperava buscar algum conhecimento de forma diferente da que a gente tem geralmente. Me surpeendi bastante com a qualidade dos programas apresentados em todas as palestras e fiquei bastante satisfeito com o congresso e o pessoal da organização está de parabéns.

 

 


Cleonice Holanda – Estudante recém-formada em Medicina Veterinária
A Expoepi está bem interessante. As palestras estão certas, tem como acompanhar seguindo a programação. Elas estão ótimas, completas e interessantes. Achei tudo ótimo em todos os aspectos, como o local, alimentação, a recepção etc.

 

 

 


Ludmilla de Souza – Secretaria Estadual de Saúde do Mato Grosso
O evento para mim é extremamente importante, onde a gente consegue visualizar o que os estados e os municípios estão realizando. A relevância disso tudo é buscar agregar todo esse conhecimento e colocá-lo em prática.

 

 

 


Adriana Martins – Secretaria Estadual de Saúde de Minas Gerais
É a minha primeira Expoepi e estou muito feliz com o evento, parabenizo o Ministério, as pessoas que trabalham na SVS, pela organização do evento que está muito boa mesmo. É uma oportunidade ímpar de troca de experiências com os colegas de todo o Brasil e é um momento muito importante para nós, pois a Expoepi traduz toda a produção do pais na área da vigilância.

 

 


Camila Lopes – Secretaria de Saúde do Distrito Federal
Já venho ao evento desde quando ainda era estudante. Acho a mostra bem organizada, mantendo o nível das edições anteriores. Achei a sessão de pôsteres bem interessante.

 

 

 


Francilena Silva – Secretaria Municipal de Saúde do Município de São Luís
É sempre muito gratificante você ver o resultado positivo dos nossos colegas de profissão, porque aqui nesse espaço, você vê sobre as questões relacionadas a ponta dos serviços. Então me sinto muito contemplada com tudo que é trabalhado aqui e da forma que é feita. Na Expoepi vemos experiências concretas e isso nos estimula muito a entender e compreender que o SUS dá certo.

 

 

 

Programe-se: Expoepi tem data marcada e terá 17 painéis temáticos

jun 01, 2017

A Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi), evento promovido pela Secretaria de Vigilância em Saúde, chega a sua 15ª edição com uma programação ampla e transversal. Nos quatro dias do evento, que acontecerá entre 27 e 30 de junho, em Brasília, os participantes da Mostra poderão acompanhar painéis, mostras competitivas e mesas redondas, com discussões atualizadas sobre a vigilância em saúde no País.