Publicações da SVS são lançadas na Expoepi

jun 30, 2017 by bruno in  Sem categoria

Vinte e quatro publicações da Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) foram lançadas na quinta-feira (29), durante a 15ª Expoepi, em Brasília. Dentre os lançamentos, estão os seguintes títulos: “Cartilha para o Agente Comunitário de Saúde”; “Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS”; “Saúde Brasil 2015-2016”; “Chikungunya: manejo clínico”; “Epidemiologia e Serviços de Saúde – revista do Sistema Único de Saúde do Brasil”.

Também foram lançados os boletins epidemiológicos: “Indicadores prioritários para o monitoramento do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil” e “Coinfecção TB-HIV no Brasil: panorama epidemiológico e atividades colaborativas” (acesse aqui).

Segundo a Coordenadora da Comissão Científica da 15ª Expoepi, Elisete Duarte, “as publicações representam o esforço coletivo das diversas áreas da Secretaria de Vigilância em Saúde”. Para a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Adele Benzaken, o “Boletim Epidemiológico Coinfecção TB-HIV no Brasil: panorama epidemiológico e atividades colaborativas” representa um marco na busca por informações sobre as infecções pelas duas doenças. “É a primeira vez que conseguimos elaborar um banco de dados dos programas desses dois agravos. A tuberculose é a maior responsável pela mortalidade por aids no Brasil”, afirmou.

Para o diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (Devit), João Paulo Toledo, “as publicações contribuem para o trabalho dos profissionais de saúde e nos ajudam a verificar onde podemos atuar com mais profundidade. Temos nesses materiais um guia de como enfrentar os desafios dessas doenças”.

Veja a relação das 24 publicações lançadas pela Secretaria de Vigilância em Saúde:

  • Cartilha para o Agente Comunitário de Saúde – Tuberculose (1ª edição, 2017)
  • Protocolo para vigilância do óbito com menção de tuberculose nas causas de morte (1ª edição, 2017)
  • Vírus Zika no Brasil: a resposta do SUS (1ª edição, 2017)
  • Orientações integradas de vigilância e atenção à saúde no âmbito da Emergência de Saúde Pública de Importância Nacional (2017)
  • Chikungunya: manejo clínico (2ª edição, 2017)
  • Vigitel Brasil 2016: vigilância de fatores de risco e proteção para doenças crônicas por inquérito telefônico (1ª edição, 2017)
  • Saúde Brasil 2015-2016: resumo executivo (folder)
  • Panorama Nacional de Implementação do Programa Academia da Saúde: Monitoramento Nacional da Gestão do Programa Academia da Saúde – Ciclo 2016 (2017)
  • Guia de vigilância de epizootias em primatas não humanos e entomologia aplicada à vigilância da febre amarela (2ª edição atualizada)
  • Manual de vigilância da leishmaniose tegumentar (1ª edição, 2017)
  • Cartilha de orientação à população no período de alerta de chuvas intensas (1ª edição, 2017)
  • Orientações para prevenção de acidentes por animais peçonhentos durante e após períodos de enchentes (folder)
  • Prevenção de doenças infecciosas respiratórias (folder)
  • Tétano acidental: ferimentos com destroços podem levar à infecção (folder)
  • Orientações para o tratamento intradomiciliar da água de consumo humano em situações de desastres (folder)
  • Epidemiologia e Serviços de Saúde – revista do Sistema Único de Saúde do Brasil (vol. 26, n. 1 e 2, 2017)
  • 5 passos da Prevenção Combinada na Atenção Básica (acesse aqui)
  • Boletins Epidemiológicos (2017):

§ Indicadores prioritários para o monitoramento do Plano Nacional pelo Fim da Tuberculose como Problema de Saúde Pública no Brasil

§ Coinfecção TB-HIV no Brasil: panorama epidemiológico e atividades colaborativas

§ Monitoramento integrado de alterações no crescimento e desenvolvimento relacionadas à infecção pelo vírus Zika e outras etiologias infecciosas, até a Semana Epidemiológica 18, 2017

§ Monitoramento dos casos de dengue, febre de Chikungunya e febre pelo vírus Zika até a Semana Epidemiológica 19, 2017

§ Indicadores de Vigilância em Saúde descritos segundo a variável raça/cor, Brasil

§ Vigilância em Saúde do Trabalhador: um breve panorama

Expoepi é reconhecida como importante evento

mar 29, 2017

A Expoepi é reconhecida como importante evento, que tem como objetivo difundir os serviços de saúde do SUS, que se destacaram pelos resultados alcançados em atividades de vigilância, prevenção e controle de doenças e agravos de importância para a Saúde Pública. Este ano, o evento espera um público de aproximadamente 2.500 participantes.

Os vírus se adaptam às alterações ambientais

jun 29, 2017

A “Vigilância e resposta a emergência em saúde pública: o que enfrentamos e o que mais está por vir?” foi tema da Mesa Redonda 1 da 15° Expoepi e que mobilizou centenas de participantes no auditório máster do Centro de Convenções Ulysses Guimarães. A coordenação do debate ficou a cargo do diretor do DEVIT/SVS, João Paulo Toledo, e contou com a participação de Maria da Glória Teixeira, da Universidade Federal da Bahia (UFBA); Lívia Martins, do Instituto Evandro Chagas (IEC), e de Renato Alves, do DEVIT/SVS.

A grande produção de conhecimento advinda com a identificação da circulação do vírus Zika no Brasil e sua relação com os casos de microcefalia em bebes foi o destaque na apresentação da professora da UFBA. Maria da Glória informou que em 2014 havia no mundo apenas 147 publicações que tratavam do tema “Zika”. Em 2015/2016 essa produção científica passou para 1.797 publicações e, em 2017, até o mês de junho, foram produzidas mais 1.029 publicações. “Estamos construindo conhecimento e aprendendo mais sobre esse agravo”, disse a professora.

Renato Alves, que falou sobre a recente epidemia de febre amarela que atingiu o Brasil, observou que houve uma importante mudança no padrão de  ransmissão do vírus e também do vetor. “Muito mais primatas não humanos (PNH) morreram nessa epidemia e o vírus se dispersou com velocidade”. Alves destacou a necessidade de capacitação de pessoal para ampliar a resposta da vigilância em saúde em um país de dimensão continental.

A pesquisadora do IEC, Lívia Martins, destacou a influência das alterações climáticas na transmissão das arboviroses. De acordo com Lívia, os vírus e os vetores se adaptam rapidamente as alterações ambientais e isto faz com que os agravos à saúde possam ser propagados com mais velocidade.

A pesquisadora disse também que os mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus têm condições de transmitir, além da dengue, zika, Chikungunya e febre amarela, três tipos de encefalites e a febre do Nilo, entre outros agravos. Ela salientou também que a dispersão dos vírus pode ser muito rápida graças a mobilidade das pessoas, que vão de um continente a outro em 24 horas por conta das conexões aéreas.

15ª Expoepi começa semana que vem. Confira tudo que irá acontecer na Mostra

jun 20, 2017

A 15ª Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi) já é semana que vem, e os participantes podem se programar e ficar por dentro de toda a programação preparada para os três dias do evento. A Expoepi é uma iniciativa promovida pela Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da saúde (SVS/MS) que objetiva valorizar os trabalhadores do Sistema Único de Saúde (SUS) e mostrar as melhores ações realizadas na área. A mostra é reconhecida por difundir os serviços de saúde do SUS, que se destacaram pelos resultados alcançados em atividades de vigilância, prevenção e controle de doenças e agravos de importância para a Saúde Pública.